Big data e inteligência analítica: como utilizar dados para tomar decisões certas

8 minutos para ler

Atualmente as empresas implementam diversas tecnologias digitais com objetivos de reduzir custos, automatizar processos, melhorar a eficiência, fortalecer e atingir novos mercados e melhorar a experiência dos clientes. Na outra ponta, mais da metade da população mundial possui acesso à internet, gerando uma quantidade enorme de dados diariamente.

Até pouco anos, esses dados eram por sua maioria descartados. Com os avanços de áreas de Tecnologia da Informação, especialmente a de Inteligência Artificial e Big Data, as empresas ganharam poderosas ferramentas de análise e de influência digital, com um grande potencial de extrair valor desses dados para tomar decisões cada vez mais estratégicas.

O desafio não é a coleta de dados em larga quantidade, mas sim extrair valor desses dados para tomar decisões cada vez mais estratégicas.

“Em uma era em que a gestão empresarial, precisa ser cada vez mais adaptável, ao conseguir processar essa quantia enorme de dados e analisá-los, conseguiram perceber detalhes de padrões de compras que nenhuma pesquisa de mercado conseguiria obter de seu público alvo”, afirma Renato Fusco, Product Owner na [ kolekto ].

Para entender melhor como essa realidade pode ser aplicada na sua empresa, leia mais:

O que são Big Data e inteligência analítica?

Big Data é o termo que significa o a estruturação deste grande volume de dados produzidos. Na inteligência analítica, esses dados brutos são convertidos em informações úteis, visando extrair insights para tomar decisões mais adequadas. Segundo Renato, esse pilar do século XXI será a chave que diferenciará os competidores no mercado.

Além dessa melhor compreensão para criar processos mais eficazes e possibilitar o entendimento mais profundo do público-alvo, o big data possibilita uma tomada de decisões mais relevantes e influenciar novas tendências. A partir dessa análise, as empresas perceberam a necessidade de evoluir e que podem aprender ainda mais com o poder dos dados aliados à tecnologia.

A quantidade de dados coletados em todo o mundo está aumentando exponencialmente — segundo a consultoria de mercado de tecnologia da informação IDC, a quantidades de dados criados, recebidos ou replicados, chamado de Global Datasphere, crescerá cinco vezes em menos de 10 anos, passando de 33 Zetabytes (ZB) em 2018 para 175 ZB em 2025. Ou seja, o big data já não é mais um conceito isolado, mas um elemento tangível para alcançar melhores resultados.

“Para isso, empresas em todo o mundo estão fechando cada vez mais projetos voltados às mídias sociais, automação de processos e Internet das Coisas (IoT), tanto para aprimorarem seus processos internos e ter uma visão mais ampla sobre seus principais pontos de melhoria, quanto para ter uma maior base de dados dos consumidores atuais e em potencial”, analisa Renato.

Análise de dados para tomada de decisão: oportunidade de fazer a diferença

Tendo essa análise mais profunda dos desejos e das dores de seus consumidores e conseguindo utilizar os resultados dessas análises de forma eficaz, as empresas possuem todos os insumos necessários para ganhar mais marketshare ou até mesmo para atrair novos mercados, o que ganha uma eficiência ainda maior com o uso da Inteligência Artificial.

As tecnologias de reconhecimento de imagens, as funções de entendimento da fala do usuário e resposta por voz, além da criação de soluções de vendas pela junção de banco de dados de sistemas diferentes são apenas alguns exemplos do que a junção de Big Data com a Inteligência Artificial é capaz de proporcionar de forma automática para as empresas que investem nesta área.

“É muito comum a combinação de Big Data com Inteligência Artificial para a análise criação de soluções para desvios de processos internos e externos entre parceiros, fornecedores e clientes. Uma fábrica, por exemplo, pode utilizar elementos de inteligência artificial que, além de proporcionar automações de trabalho, pode gerar relatórios e dados instantâneos em diferentes partes de uma linha de montagem para diferentes produtos diferentes com uma certa sazonalidade de produção.

Com o uso de processos de análises de Big Data, cientistas de dados ou até mesmo uma outra inteligência artificial pode sugerir uma mudança de fornecedores devido à estatísticas de falhas em determinada fase da fabricação ou até mesmo gerar um saving na redução de produtos em estoque (slow moving) combinado com a diminuição de compras de determinados materiais.

Aplicação prática no ambiente comercial e cotidiano

O cliente é a razão de existir de qualquer empresa, e alcançar o sucesso pleno exige estabelecer uma base sólida de clientes. Observar o seu comportamento é importante para estimular cada vez mais a tão sonhada lealdade.

Aplicado no mercado digital, grandes e-commerces utilizam o big data para vendas direcionadas sobre o que realmente interessa aos seus consumidores. Ao coletarem enormes quantidades de dados, essas empresas de comércio eletrônico traçam perfis personalizados, e enviam sugestões de produtos similares baseado nessas análises, aos já comprados ou pesquisados anteriormente, e fidelizarem mais clientes em seus ciclos de vendas.

“Hoje em dia, nossos smartphones sabem quanto tempo levaremos para chegar em nosso trabalho baseado em nossa localização atual e mostra a melhor rota para evitarmos trânsito, baseado nas localizações e feedbacks de outros usuários. No meio do caminho, alguma assistente virtual nos informa quais reuniões temos no dia e, baseado em likes e hashtags, pode nos indicar os melhores locais para tomar um café que se adeque à nossa preferência”, exemplifica Renato.

Como aplicar o Big data e a inteligência analítica em minha empresa?

Para Renato, não existe uma fórmula preconcebida para isso. Cada empresa tem estratégias de crescimento e de portfólio diferentes, baseadas nos objetivos de longo prazo. Com o mercado mais competitivo, fatores tecnológicos impulsionam novos modelos de negócios, produtos e serviços, o que faz da combinação de Big data e inteligência analítica um diferencial essencial e decisivo.

Há duas abordagens para uso de Big Data com inteligência analítica. A primeira é, baseada em uma plataforma totalmente aberta com recursos de deep learning, processamento de linguagem natural e análise preditiva sobre a qual cientistas de dados e programadores constroem soluções customizadas. A outra é utilizar os mesmos recursos mas aplicados a processos de negócio específicos já estabelecidos como leads, marketing, vendas, atendimento a clientes, etc que permite que usuários de negócio, que não necessariamente têm um conhecimento profundo de ciência de dados.

A plataforma Customer 360 da Salesforce escolheu a segunda abordagem, aplicando inteligência artificial em suas diferentes nuvens de solução, cada uma direcionada para uma área ou foco diferente das práticas de CRM, como Sales Cloud (soluções de vendas), Marketing Cloud (soluções de marketing), Analytics Cloud (soluções de análises de dados) entre outros. Entre todos os produtos desenvolvidos pela Salesforce, o Salesforce Einstein (IA da Salesforce) está inserido nos diferentes contextos de funcionalidades para aprimorar a experiência do cliente com a empresa, além do uso dos Big Objects que auxilia no armazenamento de dados usados em Big Data no Salesforce.

Para projetos de análises de dados, por exemplo, a Analytics Cloud permite com que diversos bancos de dados diferentes consigam ser analisados de uma forma intuitiva para o usuário, fazendo com que este consiga fazer “perguntas” para a IA como “Por quê a margem de vendas teve uma queda?” ou “O que posso fazer para melhorar meu marketshare?”, conclui o profissional.

As empresas buscam cada vez mais se adaptarem a transformação constante para se destacarem e inovarem em seus mercados. Para a [ kolekto ] é extremamente importante entender e oferecer soluções duradouras, seguras, adaptáveis e automatizadas que buscam aprimorar a experiência do consumidor final na compra do produto/serviço. É por isso que todos nossos projetos possuem especialistas de negócios e arquitetos de sistemas, a fim de garantir a melhor solução para a sua empresa.

Achou este conteúdo relevante e quer ter acesso a outros artigos sobre gestão de negócios, tecnologia e relacionamento com o cliente em primeira mão? Assine nossa newsletter e receba nossas sugestões de leitura diretamente no seu e-mail!

Posts relacionados

Deixe uma resposta